sexta-feira, 9 de junho de 2017

Amor & outras drogas



Tem um filme de chorar super fofo com esse título "Amor & outras drogas" e, apesar da trama abordar sobre amor e medicamentos, o assunto que vou tratar está bem longe de ser algo estrelado pela queridinha Anne Hathaway. A parada aqui também faz chorar sim ..., mas é trash, já vou logo avisando.
 
O roteiro é patético: uma pessoa surge na sua vida como um furacão, bagunçando tudo; lhe fazendo provar cheiros e sensações nunca antes sentidas, proporcionando noites incríveis, lhe deixando meio atordoado, perdendo o foco, a fome, o sono. E, de repente, você se pega pensando nela o tempo todo, uma paixão obsessiva que te consome e tira a sua paz de espírito. E quando a pessoa desaparece, desliga o celular, ou faz alguma mudança de planos, você sente uma abstinência similar à de um usuário de drogas. A partir de então, a sua saúde mental está nas mãos de outra pessoa.
 
Um viciado sempre acha que está no controle de tudo, que vai poder parar quando decidir, sempre acredita que insistir naquilo não lhe fará tanto mal. Na cabeça dele as pessoas é que estão falando demais, dando conselhos errados, se intrometendo onde não devem. Age por impulso o tempo todo, colocando vírgulas, onde deveria ter um ponto final,. E quando se dá conta, está completamente fragilizado, com a autoestima doente, se expondo em situações de risco física e emocionalmente. Às vezes a pessoa que a gente tem uma queda acaba nos derrubando...
 
...Pessoas que enrolam, visualizam e não respondem, que soltam um “hoje não posso” quando era para dizer “claro, vamos sim”; pessoas que vivem na ilusão de que são os gostosões do pedaço e se alimentam da vaidade de serem cortejados, de ter sempre alguém se rastejando aos seus pés quando na verdade estão tentando driblar a rejeição que provaram no passado, aquele medo escondido a sete chaves de voltar a ser o indivíduo menos interessante do universo. E, hoje, com uma pequena dose de melhora no visual ficam testando o poder de sedução só para provocar uma reação nas pessoas, vivem aprisionados na triste ilusão de que serão jovens e/ou sarados para sempre, pessoas viciadas na própria imagem.
 
... Pessoas que só aparecem na hora do “vamos ver”: a droga do sexo. Sexo é uma droga mesmo, vicia. E o maior perigo é quando acreditamos que química e amor andam de mãos dadas. Mentira! A gente insiste em ficar dando ibope para quem não merece só porque o sexo é fascinante, mas e daí? Parceiro bom de cama a gente arranja em qualquer lugar e, na maioria das vezes, não tem nenhuma relação com beleza. Do mais lindo ao mais feinho, estão todos provando uma amostra grátis da desilusão amorosa. Há, inclusive, uma galerinha que fará questão de te manter em banho-maria, se esquivando de compromissos sérios, te iludindo com palavras no pé do ouvido e, todavia, o que eles querem, de fato, é lhe ter disponível, porque são pessoas viciadas em sexo.
 
... Pessoas sufocantes, que trazem a insegurança a tiracolo, que transformam a vida do parceiro num filme de terror com direito a gritos, faca e um psicopata. Estão sempre desconfiados, monitorando cada passo, inspecionando bolsos, vigiando olhares, limitando espaços e amizades, vistoriando celulares, restringindo acessos nas redes sociais, fiscalizando sentimentos, supervisionando orgasmos e acreditando que estão no comando, que o sorriso formal na foto do Instagram é o suficiente para manter o relacionamento intacto. Esses indivíduos nunca estão preparados para o fim, não conseguem administrar a ideia de que quando alguém decide sair da nossa vida, não há nada que possamos fazer, não conseguem enxergar além porque são pessoas viciadas em atenção.
 
Nenhum desses comportamentos tem qualquer relação com amor. Vaidade, sexo e carência são apenas algumas das drogas que invadem a nossa vida e nos arruínam de pouco em pouco. Amor não vicia, não nos faz sentir uma abstinência emocional. A gente consegue ficar em paz quando o celular da pessoa está fora de área, a gente não perde o equilíbrio quando alguém acha o outro mais bonito (rola até um certo orgulho), amor não se baseia numa overdose de cama, não tem demarcação de território, há uma liberdade que flui sem medo, sem desconfiança. Amor é quando mesmo depois de muito tempo você sente falta da pessoa e não só do corpo, é quando você fica de pernas bambas ao escutar o timbre da voz, fica feliz mesmo que não haja motivos - senão o fato de estarem juntos.
 
Bruno de Abreu Rangel

13 razões para desistir das bees "sem noção"



O Ministério do humor adverte: esse é um texto com altas doses de sarcasmo. Tirem as crianças da sala e qualquer semelhança não é mera coincidência - é intencional “meixmo” (deboche com sotaque carioca). Acontece comigo, acontece com você.
 
Abaixo, segue um pequeno repertório de características e atitudes das bees que são capazes de tudo só para saírem bem na fita e, no final das contas, acabam cag*ndo na própria cabeça. Não há nada de suspense nessa trama: elas se arruínam e a gente só assiste. 
 
                                                                    **********
 
1 - Amor à primeira pista: paixão de balada é a maior furada. Ponto. Na Terra do Nunca muita gente leva a sério a felicidade do comprimidinho colorido. Então você atravessa o portal, se conecta com uma pessoa, tem momentos incríveis que duram pouco mais de duas horas (sendo bastante otimista) até que ela resolve mandar um “vou ali no banheiro e já volto”. FIM.
 
2 - Bees religiosamente intriguentas: a pessoa bebe até cair e fala mal do maconheiro; o maconheiro fuma até esquecer o nome da mãe e fala de quem cheira; o cheirador quase bate as botas de tanto entupir o nariz de farinha e fala mal do evangélico; que fala mal de quem bebe. Estão todos enxugando gelo. Papai do céu vai ficar muito feliz quando cada um cuidar da própria vida.
 
3 - É veneno para bombar o corpo, veneno para curtir a onda na night, veneno para deixar o negócio de pé por horas, veneno para pregar os olhos e dormir. As pessoas estão envenenadas e no supermercado passam horas lendo rótulos para evitar gorduras Trans.
 
4 – A pessoa brotou do nada, ganhou um pouquinho de dinheiro, foi para a Zona Sul, deu um tapinha no visual, fez um ciclo de esteroides extraordinário, faz crossfit todos os dias, comida orgânica e ainda assim não é nota dez: 7,5. Pra piorar, essa criatura tem a audácia de sair discriminando e rotulando indivíduos que frequentam o mesmo espaço que ela. Se acha superior, só dá vexame, coleciona episódios de gafes pavorosas e fala aos berros: educação praticamente suíça, nota 0.
 
5 - Acabou aquele alvoroço de gringo dando apartamento, ator global distribuindo carro a torto e a direito. Quem deu o golpe já deu, quem ainda não conseguiu segue acreditando que foto sem roupa no Instagram será suficiente para ser modelo da empresa MODELO e poder atrair grandes investimentos.
 
6 – Ilusão de ótica: fila, empurra-empurra, ser tratado como gado, e ainda acreditar que é VIP na buatchy.
 
7 - As pessoas te amam até não precisarem mais de você. Até aí tudo bem, não há nada de novo, mas fazer macumba on line, arquitetar vingancinhas medíocres, promover fofocas de boteco... é sinal de que a palavra gratidão anda com cheiro de mofo.
 
8- Indireta em rede social é uma das atitudes mais grotescas e covardes, vem das cavernas. A pessoa acha que está causando e está apenas expondo, ainda mais, a sua fragilidade. Que tal procurar o coleguinha inbox e dizer diretamente que você morre de inveja dele, que ele te incomoda e que você não consegue ser feliz por conta própria? De repente ele poderá ser útil. Estejamos cientes de que, na maioria das vezes, o alvo das indiretas nunca lê a mensagem e tudo o que nos resta é um mal-estar entre pessoas do nosso convívio que não têm nada a ver com a história.
 
9 - Beleza não abre apenas portas, mas pernas. Esse “pica das galáxias” é tão sem noção que sai por aí vomitando um monte de asneiras contando vantagens quando na verdade todas as conquistas que ele obteve estão relacionadas ao sexo e, como se não bastasse, ainda tem a ousadia de julgar os garotos de programa.
 
10 – A gata garota tem um corpinho sarado e acha que não precisa saber quanto é 7X8? Precisa sim e precisa também aprender a escrever em português para que todos possam entender o seu barraco no Facebook. Está se queimando e, até onde sabemos, até queimadura tem segundo grau.
 
11 -  A bee vai morar no exterior e fica se achando o último biscoito do pacote quando na realidade tem que aguentar gringo enfiando chave de fenda no pinto, colocando fio no traseiro para levar choque, aturando um sexo pra lá de bizarro; tendo que pagar um preço altíssimo só para poder voltar ao Brasil e usar uns óculos PRADA na praia de Ipanema, e não é que o diabo veste PRADA? That’s all.

12 - Um minuto de silêncio em prol das bees que Julgam o relacionamento alheio para compensar o fato de estarem sempre solteiras e sozinhas, por livre espontânea vontade – dos outros.
 
13 - Todo mundo sente atração pelo perigo, mas desde que o perigo não exista: ‘Amigo, a colocação ainda não bateu, será que tomo mais uma dose?’ Dependendo da quantidade de drogas que a pessoa ingere ela pode se sentir num paraíso gozando da felicidade plena, O-U, pode partir dessa para uma pior ...
 
‘...chegando no céu a bee diz: puxa, mas ninguém me avisou. 
Avisou sim, pode descer. ‘
 
                                                                         **********
 
Érico Veríssimo já nos deu essa dica memorável: “Em alguns momentos o que salva nem é o amor, é o humor”, portanto, mensagens grosseiras com perfis fakes/ anônimos podem ser enviadas para:
 
Bruno de Abreu Rangel